Editora Reflexão

Evangélicos e o papa

Autor(a): CLAUDIO DE OLIVEIRA RIBEIRO 

ISBN:9788580882049

Páginas: 166

Formato: 16,0x23,0

Avaliação:


  • De: R$ 39,90
  • Por: R$ 31,92

ou 10x de R$ 3,19 sem juros no cartão

Comprar

Comprar com 1-Click

A reflexão oferecida neste livro representa, ainda que com limitações, a diversidade do quadro religioso evangélico brasileiro. Com satisfação, reunimos olhares de batistas, metodistas, presbiterianos, pentecostais, luteranos, reformados e anglicanos. Homens e mulheres, jovens, pastores e pastoras que atuam na base das igrejas, pessoas que se dedicam à academia, clérigos, clérigas, leigas e leigos. Assim, motivados por um líder católico romano, Francisco, e pela vocação maior do Evangelho traduzida nos compromissos éticos com a manutenção e promoção da vida, em todas as suas dimensões e concretude, tais líderes propõem reflexões que agora chegam às nossas mãos. Na primeira parte, há análises ecumênicas de Olav Fykse Tveit, secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas, de Magali Do Nascimento Cunha, da pastora anglicana Carmen Kawano e do bispo metodista Paulo Ayres Mattos. Na segunda parte, olhares denominacionais e que levam em conta a realidade das igrejas: Alonso S. Gonçalves (batista), Helmut Renders (metodista), David Mesquiati (pentecostal), Carlos Jeremias Klein (presbiteriano) e Carlos Eduardo Calvani Ingrit Jampietri (anglicano) e Fernando Bortolleto Filho (presbiteriano). Na terceira parte, olhares globais com os textos de Edson Fernando, Marga Janete Ströher e Romi Márcia Bencke, Alessandro Rocha, Jorge Pinheiro e Rosi Schwantes. A quarta parte foi dedicado a jovens com os textos de Maryuri Mora Grisales, da Rede Ecumênica de Juventude, Cláudio Augusto, do CEBI de Belém-PA, de André Magalhães Coelho, Thiago Rafael Englert Kelm, pentecostais, e Fabio Martelozzo Mendes, da assessoria de direitos humanos da Igreja Metodista em São Paulo. O papa Francisco, ao promulgar a Encíclica Laudato Si', recria, de forma belíssima e corajosa, o vínculo perdido da liderança católico-romana com as transformações teológicas e pastorais propostas e decorrentes do Concílio Vaticano II (1962-1965). A nova encíclica está em consonância com atitudes e palavras do pontífice desde os seus primeiros dias como papa, que sinalizam um estilo pastoral mais aberto, progressista e despojado para a igreja. Portanto, não se trata de um documento isolado, mas articulado com a referida recriação da “primavera conciliar” que encantou o mundo nos anos de 1960. Com esse elo surge um potencial criativo de novos ares para a Igreja Católica Romana. A consideração é que a força simbólica da encíclica, somada aos conteúdos sociopolíticos nela presentes, redundará em reforço das perspectivas mais abertas e críticas ao sistema econômico dos diferentes grupos da sociedade. O mesmo se dará com as demais igrejas cristãs (ou grupos e setores dentro delas) que advogam posicionamentos críticos em relação aos temas sociais e ecológicos. Ou seja, a encíclica, ao lado de posturas teológicas e pastorais mais abertas do papa Francisco, contribuirá para que a força de grupos progressistas e ecumênicos das igrejas cristãs – evangélicas, anglicanas e orientais – aumente.